• Área do aluno
  • Entre em contato conosco:

    (11) 2275-6424 / 5594-2821 | (11) 96312-0874

Atualização em Psicoterapia Infantil Junguiana - ONLINE

Grandes nomes da psicoterapia infantil vão discutir temas que têm surgido na atualidade no trabalho com crianças, proporcionando ao aluno o entendimento dos comportamentos da criança contemporânea, na sua forma de pensamento e compreensão do mundo, nos recursos dos quais ela dispõe para o enfrentamento das adversidades e nos seus medos e angústias diante da vida.

Consulte Condição de Pagamento
Fechar

Conteúdo bloco condicao-de-pagamento.

R$ 987,00 em 6x de R$ 164,50 no cartão
 
Início: Em breve novas turmas   
 
Horário: á confirma 



O que fazer diante do surgimento de novas constituições familiares na formação da identidade infantil, a agressividade e violência contra a criança dentro e fora das famílias, os limites e permissividade dos pais em relação ao comportamento, as crianças hiperativas, deprimidas ou impulsivas, o uso excessivo de celulares, tablets e a inclusão de crianças autistas?

O que muda na relação profissional com a criança da atualidade?
Quais são os seus medos e suas angústias?
Como podemos nos aproximar deste universo que para nós é tão desconhecido?
Quais os instrumentos e técnicas de que dispomos para o trabalho com crianças na atualidade?

Assuntos como as percepções da criança sobre si mesma, a expressão de emoções infantis no cotidiano, as questões de gênero, o papel das instituições na vida de crianças, as relações com o mundo virtual e digital, as novas possibilidades de intervenção clínica e psicopatologias infantis serão amplamente abordados por uma equipe de docentes, com sólida formação e ampla experiência no assunto.

Se você atua com crianças, esse curso é Imprescindível!
Pois tem sido cada vez mais frequente a necessidade de lidar com questões que a atualidade nos coloca.
Um conhecimento fundamental e de extrema importância para quem colabora no desenvolvimento infantil.
Uma grande oportunidade de se atualizar na psicoterapia infantil de abordagem Junguiana com os melhores do assunto.

Conheça os docentes e os temas que serão abordados:

 

Ceres Alves Araujo
Uso e Abuso de Recursos Eletrônicos

As tecnologias que hoje se desenvolvem em ritmo cada vez mais vertiginoso, apresentam-se como instrumentos de modificação das formas pelas quais as pessoas se relacionam com a comunicação e a informação.
Os recursos de imagens, sons, grafismos, textos atraem a atenção de crianças cada vez mais jovens e permitem, com facilidade de utilização, um aprendizado adaptado às diferentes capacidades, ritmos e estilos, tornando-se uma forma prazerosa de aprender para todas as idades.

A grande atração exercida pelos jogos é a possibilidade de interação, pois eles são participativos, permitindo ao jogador construir uma realidade onde ele controla o que quiser, com liberdade de escolha. Isso é especialmente encontrado nos jogos de estratégia. A imaginação e a criatividade são desenvolvidas pela necessidade de administrar um jogo dinâmico, no qual é necessário criar ações complexas, testar hipóteses sobre o mundo virtual criado e encontrar soluções para situações-problema, sob a forma de simulações que seriam impossíveis no mundo real. Os jogos de luta têm a função de favorecerem o confronto com a própria agressividade, que poderá levar mais tarde à possibilidade de controle sobre os impulsos e à possibilidade da regulação das emoções.

Porém, ao lado de todas essas vantagens, é frequente a queixa dos pais a respeito da quantidade de tempo que seus filhos gastam nos jogos eletrônicos, desde idades bem tenras e com aumento progressivo à medida que crescem.  Para muitos pré-adolescentes e adolescentes os contatos virtuais tendem a ser mais intensos que os reais.

Os eletrônicos estão “incorporados” às pessoas, mas é preciso que a comunicação real, pessoa-a-pessoa, possa ser preservada e ensinada. Talvez o homem do futuro seja um híbrido de humano e máquina e, nesse sentido, não se pode falar de vício à internet, pois a incorporação do homem à máquina já está se fazendo. Toda essa tecnologia relacionada aos eletrônicos e à internet se traduz em prodigiosas ferramentas para a humanidade para o bem e para o mal. Cumpre se discutir ética.

O curso pretende abordar a possibilidade de uso dos recursos eletrônicos na psicoterapia de crianças.

 
A Clínica de Crianças com Transtornos do Espectro Autista (TEA)

Pode-se considerar o transtorno do espectro do autismo como uma entidade clínica, com características, hoje, razoavelmente definidas principalmente no nível cognitivo. São quadros de extrema complexidade, que exigem abordagens multidisciplinares visando, não somente a questão diagnóstica, mas também a educacional e a da socialização, na tentativa de se poder estabelecer etiologias e quadros clínicos definidos, passíveis de prognósticos precisos e abordagens terapêuticas eficazes.

Do ponto de vista da psicologia Junguiana, acredita-se que a organização do desenvolvimento é arquetípica, isto é o desenvolvimento se processa sob a ordenação do Self, arquétipo central como princípio de totalidade.

Diferentes trajetos de desenvolvimento podem ser traçados em função da interação dos mecanismos genéticos de orientação específica com a circunstancialidade envolvente de cada ser humano. As primeiras estruturas psíquicas, os arquétipos irão organizar a experiência do ser humano no mundo.

As pessoas com TEA não seguem os trajetos típicos da estruturação da consciência. Tem uma forma diferente de estruturação da mente. Em função de suas condições tão peculiares e por viverem sob os determinantes de uma cultura, onde não são adequadamente compreendidas, as pessoas portadoras dos quadros de TEA têm um processo de desenvolvimento psicológico bastante difícil e penoso. É provável que apenas uma minoria das pessoas com esse transtorno do desenvolvimento, a que possui a inteligência preservada, possa chegar a um processo de individuação, com a possibilidade de descobrir a própria forma de ser e talvez o sentido de sua existência. Isso pode ser visto como uma luta ao direito de ser ímpar. A ajuda à essa luta pode ser o objetivo da psicoterapia de orientação analítica às pessoas com quadros de TEA.

 

Vida pré-natal e primeiríssima infância

Pretende-se abordar a questão das pesquisas na área da psicologia, com embriões, fetos e bebês. Ressalta-se a importância de se estudar como o desenvolvimento psicológico ocorre nos primeiros tempos da vida.

A moderna teoria do apego/regulação mostra que as relações que são estabelecidas em função das primeiras interações mãe-bebê começam a construir as redes neurais e isso acontece já no útero, nos primórdios do desenvolvimento.  Decorre a importância crítica do desenvolvimento pré-natal para a estruturação e funcionamento do complexo cérebro-mente. Já no embrião e no feto pode-se estudar a emergência dos arquétipos e o desenvolvimento dos complexos. 

Ao nascer, o bebê está pronto para os relacionamentos intersubjetivos e é na  relação com um outro ser humano, que ele continua a construir sua  mente ao longo do processo do desenvolvimento, relação mediada pela emoção.  A empatia no relacionamento entre bebê e cuidador é a base para a modulação do relacionamento do bebê com outras pessoas. As emoções regulam os processos do desenvolvimento intrinsecamente ao longo da primeiríssima infância e para para o resto da vida os processos de apego permanecem no centro de todas as funções emocionais e sociais.

Assim, em uma perspectiva biopsicossocial, fundamentada na Psicologia Analítica, o desenvolvimento do indivíduo pode ser considerado como o resultado entre o cérebro, a mente e o corpo do bebê e da mãe ou cuidador primário, nos períodos iniciais, moldado e expresso pela comunicação não verbal, influenciado pelos ambiente físico e cultural e determinado arquetipicamente.

 
Ana Maria Galrão Rios
Atualização em Clínica infantil.

Visa apresentar novas abordagens na clínica de crianças, levando em conta as aproximações com a neuropsicologia, a hipótese da construção interpessoal da psique e o papel do relacionamento, assim como as noções sobre o desenvolvimento da autoria, entendida como a percepção de si mesmo enquanto agente de transformação do mundo tanto no plano físico, quanto emocional e intelectual.


Resiliência na criança.

Visa definir o conceito de resiliência, apresentar os fatores que influenciam seu desenvolvimento e que participam dos mecanismos de proteção da psique frente às adversidades, tais como dor, doença, perdas e morte.

Trauma.

O objetivo desta aula é apresentar e discutir o conceito de trauma agudo e crônico à luz da psicologia analítica, considerando os trajetos de desenvolvimento possíveis a partir de experiências que superam a capacidade da psique de lidar com a ansiedade, levando à atuação de mecanismos de defesa muito primitivos.
A aula visa, a partir da compreensão teórica do quadro, promover uma clínica mais eficiente na abordagem de pessoas que têm uma estruturação psíquica correspondente à experiência do trauma.

 

Maria Irene Crespo Gonçalves
Crianças institucionalizadas e práticas psicoterápicas.

Fundamentar as práticas terapêuticas que integram as técnicas dos toques sutis baseados na Calatonia, desenvolvidas pelo Dr. Pethö Sándor, adaptadas ao atendimento com crianças institucionalizadas, a partir de observações, conclusões e reflexões embasadas na Psicologia Analítica, desenvolvendo uma analogia com os processos alquímicos.

Enfatiza a abordagem corporal integrativa e o sandplay como facilitadores do estabelecimento de vínculos, proporcionando a ressignificação dos afetos e a elaboração de vivências traumáticas, visando estimular o desenvolvimento psíquico e social. Fatos esses, comprovados pelos novos estudos da neurociência.

Como ilustração serão relatados os trabalhos corporais realizados com crianças e adolescentes em instituições: Febem,  abrigos que recebem crianças sob tutela judicial e  Lar de Francisco que acolhe mães e seus bebês.

 
Rosangela Figaro
A clínica do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

O TDAH é um transtorno neurobiológico de causas genéticas que se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. É o mais comum dos transtornos emocionais, cognitivos e do comportamento que ocorrem na infância (3 a 5% das crianças apresentam). Frequentemente pode acompanhar o indivíduo ao longo da vida.

Discutiremos as características cognitivas e comportamentais do transtorno, com ênfase na análise da afetividade e emoções do TDAH, ampliando sua compreensão à luz da Psicologia Analítica. Abordaremos ainda, a prática da psicoterapia de crianças que apresentam esta problemática.

Fabiana Haddad Kurbhi
O uso de recursos digitais na terapia com crianças.

Na clínica junguiana com crianças faz parte do escopo técnico o uso de recursos como hora lúdica, jogos de tabuleiros, sandplay, marionetes, miniaturas, faz-de-conta, desenhos, pinturas, todos, recursos expressivos e projetivos, que constituem formas de acessar a psique infantil. Cada vez mais os celulares e tablets entram na cena terapêutica como reveladores do mundo infantil. O objetivo deste módulo é mostrar como o uso de recursos digitais podem servir ao terapeuta como um dos recursos técnicos possíveis no manejo clínico.

Angela Scuoppo e Ana Maria Russo
A Integração Fisiopsíquica na Psicoterapia Infantil – Calatonia e Toques Sutis.

O Seminário convida a compreensão da inclusão do método da Calatonia e Toques Sutis de Petho Sandor como um recurso na Psicoterapia com crianças.

Orienta sobre as bases teóricas da Psicologia e Neurociencia que sustentam o método como um recurso da Integração Fisiopsíquica, ao contribuir para o desenvolvimento psiquico, na restauração dos vínculos afetivos e ao favorecer o desenvolvimento das funções cognitivas.

Os alunos serão convidados a participar de algumas sequências da Calatonia e Toques Sutis, adaptados a Psicoterapia Infantil.


Neusa Maria Lopes Sauaia
Violência e resiliência: um diálogo em busca de transformação.

Refletir sobre a violência, tão discutida e explorada pelos meios de comunicação pode parecer monótono e repetitivo, mas é de extrema importância quando nos propomos a ganhar mais conhecimento, informação e nos envolvemos pessoalmente com o tema. Por outro lado, pensar a resiliência como resultante da elaboração da violência e das adversidades sofridas traz a esperança de um futuro mais equilibrado e promissor. O Núcleo Espiral propõe que estas polaridades dialoguem e colaborem para uma cultura de Paz. Que esta palestra sirva como semente de um novo olhar sobre a vida e sobre nosso compromisso como seres humanos.

 

Alex Rocha
O terapeuta homem na clínica com crianças.

Existiria um jeito masculino de ser terapeuta ou isso será apenas um estereótipo? Ampliando os conceitos de anima e animus, de energia yin e yang, pode-se vislumbrar um estilo terapêutico mais espontâneo ao arriscar, ao experimentar, ao competir, ao fogo, às madeiras, martelos e parafusos.

 

Maria Teresa C. Caldeira Nasi
Regulação Emocional - Medo Infantil.

O estudo do desenvolvimento, na atualidade, considera a cognição a partir do desenvolvimento da emoção, que, por sua vez, funciona como um processo organizador central do cérebro.

Na perspectiva da Psicologia Analítica. Segundo Jung “a emoção é a fonte principal da tomada de consciência”.

(Jung, Obras Completas, V. 9/1 - p. 102).

 

Denise Mathias
Novas configurações familiares.

Uma reflexão sobre as mudanças que surgiram a partir do século passado na formação das famílias e as novas maneiras de relacionamento que se propõem nestes novos tempos. Os tempos atuais pedem uma nova forma de entender o ser humano e como este ser humano estabelece relações no mundo moderno.

 

Telma de Oliveira Chirosa e Camila Porto Fischberg  
Questões de genero e sexualidade infantil

Possibilitar reflexões com base na abordagem da psicologia profunda, acerca das questões de identidade de gênero.
Propiciar um olhar sobre a psicodinâmica que pode ser atravessada pelo viés da estruturação histórica e cultural, procurando trazer extensões de outras disciplinas, para uma maior compreensão.

Através de ilustrações do cinema e da arte, podermos criar novas perspectivas simbólicas que amplifiquem e traga particularidades ao invés de patologias.

Apresentar as questões de Gênero e sexualidade Infantil, definir conceitos relacionados à população trans, relatar experiências clínica e ambulatorial relacionadas ao tema. Possibilitar reflexões com base na abordagem da psicologia profunda, acerca das questões de identidade de gênero. Propiciar um olhar sobre a psicodinâmica que pode ser atravessada pelo viés da estruturação histórica e cultural, procurando trazer extensões de outras disciplinas, para uma maior compreensão.

Através de ilustrações do cinema e da arte, podermos criar novas perspectivas simbólicas que anplifiquem e traga particularidades ao invés de patologias.

 

Márcia Andrade
O corpo psicomotor na clínica com crianças, do movimento à ação, da ação ao pensamento.

O desenvolvimento da criança não é apenas o resultado de uma predisposição orgânica, é o somatório das experiências e interações com o ambiente. Baseia-se, portanto na integração de aspectos sensoriais, motores, emocionais, cognitivos. 

O órgão motor por si mesmo não cria a representação motora, esta surge do atravessamento da linguagem.
A representação do movimento estaria sustentada por duas vertentes: do lado simbólico a que geraria a imagem do movimento, origem da ação e no limite com real gera o projeto motor, as praxias.
O movimento numa série simbólica se transforma em ato psicomotor.

A proposta neste módulo é apresentar conceitos e recursos da clínica com bebês e crianças para favorecer a construção de esquema corporal e constituição de uma imagem corporal a partir do tônus, da temporalidade, e dos afetos.

Francisco B. Assumpção Jr.
Depressão na infância

A depressão na infância é um quadro típico, caracterizado basicamente pela alteração de humor que, se caracteriza principalmente por aquilo que os especialistas chamam de disforia e que se manifesta por irritabilidade em uma criança que não possui habitualmente esse tipo de conduta.

Esse diagnóstico não é simples de ser realizado e necessita de opinião especializada para que, uma vez feito, seja implantada a terapêutica correta que hoje, é basicamente medicamentosa, com a utilização de medicamentos antidepressivos podendo ser acompanhada ou não, de psicoterapia.

Sua prevalência atinge cerca de 0,9% dos pré escolares, 1.9% dos escolares e 4% dos adolescentes sendo fator importante associado ao suicídio na infância e na adolescência.

Concomitantemente a disforia observam-se sintomas caracterizados por alterações de sono, alimentação e ansiedade.

Seu tratamento, como dissemos, é predominantemente medicamentoso, sendo os antidepressivos inibidores de recaptação de serotonina as drogas de primeira escolha embora possam ser utilizados antidepressivos tricíclicos.

 

Público-alvo
Psicólogos, psiquiatras, psicopedagogos, pedagogos, professores e profissionais da área da saúde que atuam com crianças.


Modalidades:
Presencial e *On Line 

Local da modalidade Presencial: Instituto Freedom - São Paulo
Rua Luis Góis, 1.205 - 1º andar Vila Mariana (Próximo ao metrô Santa Cruz)

Modalidade On Line:
Trata se de uma transmissão do curso ao vivo em tempo real.
O aluno deverá estar na frente do seu computador no horário exato do curso.
O acesso é somente feito por notebook ou computador ( não é possível o acesso por tablets ou celulares )
A velocidade da internet deve ser de no mínimo 10 MB.

Bônus exclusivo para os alunos da modalidade On Line:

O Instituto Freedom disponibiliza a gravação da aula gratuitamente por 15 dias, diferencial para facilitar os seus estudos.

IMPORTANTE: Após o período de 15 dias caso o aluno deseje estender o tempo da gravação por mais 15 dias, o custo é de 80,00 por aula.

Investimento para modalidade presencial ou On line:
Apenas 6 parcelas de R$ 164,50 = R$ 987,00


Oportunidade incrível de aprender com esses grandes profissionais

Vagas Limitadas!

Obs: Confira o curriculum dos docentes na aba "PROGRAMAÇÃO".
Programação e corpo docente sujeito a alterações.



Módulo 1: Novas teorias sobre do desenvolvimento infantil   

11/Ago  09:00 ás 11:00   A. Atualização em Clínica Infantil         Ana Maria Galrão Rios

11/Ago 11:15 ás 13:15   B. Resiliência em crianças          Ana Maria Galrão Rios

                                              

Módulo 2: Família         

25/Ago 09:00 ás 11:00   A. Novas configurações familiares         Denise Mathias

25/Ago 11:15 ás 13:15   B. A criança institucionalizada e práticas psicoterápicas         Irene Crespo

                                              

Módulo 3: Eletrônicos 

01/Set 09:00 ás 11:00   A. Vida pré-natal e primeiríssima infância   Ceres Araujo

01Set  11:00 ás 13:15   B. Uso e Abuso de recursos eletrônicos     Ceres Araujo

01/Set 14:30 ás 16:30   C. Recursos digitais na terapia      Fabiana Kurbhi

                                              

Módulo 4: Gênero         

29/Set 09:00 ás 11:00   A. Questões de gênero e sexualidade infantil      Telma Oliveira/Camila Porto Fischberg  

29/Set 11:15 ás 13:15   B. O terapeuta homem na clínica com crianças    Alex Rocha

                                              

Módulo 5: Emoções      

06/Out 09:00 ás 11:00   B. Regulação emocional: Medo infantil     Maria Teresa C. Caldeira Nasi 

06/Out 11:15 ás 13:15   A. Violência e Resiliência: um diálogo em busca da transformação      Neusa Sauaia

06/Out 14:30 ás 16:30  C. TDAH na infância   Rosângela Fígaro

                                              

Módulo 6: Corpo            

27/Out  09:00 ás 11:00   A. O corpo psicomotor na clínica com crianças, do movimento à ação, da ação ao pensamento.     Marcia Andrade

27/Out  11:15 ás 12:15   B. Integração Fisiopsíquica na Psicoterapia Infantil - Calatonia e Toques Sutis  
Angela Scuoppo/Ana Maria Russo 
Esta aula finaliza ao 12:15, pois será apresentado somente a parte teórica.

                                              

Módulo 7: Patologias   

10/Nov  09:00 ás 11:00  A. Depressão na infância    Francisco B. Assumpção J

10/Nov 11:15 ás 13:15   B. A clínica do Transtorno do espectro autista    Ceres Araujo

10/Nov  14:30 ás 16:30  C. Trauma   Ana Maria Galrão Rios

 

CURRICULO DOS DOCENTES:

Ceres Alves de Araujo
Psicóloga. Mestre em Psicologia Clínica pela Universidade Católica de São Paulo (PUCSP). Doutora em Distúrbios da Comunicação Humana pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Analista pela Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica (SBPA). Professora pesquisadora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUCSP. Professora do Curso de Formação da Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica. Membro da Academia Paulista de Psicologia (Cadeira 39).


Ana Maria Russo

Psicóloga Clinica. Especialista pelo CRP 06/ 22778
Especialização em Psicoterapia Analítica, Cinesiologia e Integração Fisiopsiquica – Instituto Sedes Sapientiae de São Paulo.
Especialização em Terapia Familiar e Casal -  Instituto Familiae de São Paulo.
Psicoterapeuta de crianças, adolescentes e famílias.
Supervisora Clínica e Orientadora de Grupos de Estudo de Psicologia Analítica, Integração Fisiopsíquica, Psicoterapia Infantil, Família e Casal.

Angela Scuoppo
Psicóloga Clínica CRP 06- 11447.
Psicoterapeuta de crianças, adolescentes e famílias.

Especialização:
-Psicoterapia  Psicodinâmica Infantil - Instituto Sedes Sapientiae de São Paulo.
-Psicologia Analítica, Cinesiologia e Integração Fisiopsíquica - Instituto Sedes Sapientiae de São Paulo.
-Psicoterapia Familiar e Casal- Instituto Familiae de São Paulo
-Supervisora Clínica e Orientadora de Grupos de Estudo: Psicologia Analítica, Integração Fisiopsíquica, Psicoterapia Infantil, Família e Casal.

Dr. Francisco B. Assumpção Jr
Professor Livre Docente pelo Depto. de Psiquiatria da FMUSP.
Membro da Academia Paulista de Medicina (cad.103) e Psicologia (cad. 17).
Professor Associado do IP-USP.

Alex Rocha
Formado em Psicologia pela Universidade Mackenzie em 2000, depois da formação e atuação em magistério, com crianças de 1ª a 4ª série, buscou formação na teoria junguiana em uma especialização pela Unisãopaulo, além de outra especialização na área de abusos sexuais, pela USP. Atualmente faz especialização em psicoterapia de casl e de família (Sistemas Humanos) e é mestrando no núcleo de estudos junguianos pela PUC-SP. É psicólogo clínico e fazedor de pipas, carrinhos de rolimã e jogador de RPG.

Ana Maria Galrão Rios
Psicóloga especialista em clínica, doutora em Psicologia Clínica pelo Núcleo Junguiano da PUC-SP, especialização em Jung e Corpo e Cinesiologia Psicológica pelo Instituto Sedes Sapientiae de São Paulo. Professora do Sedes Sapientiae, e professora convidada da UNIP em psicoterapia junguiana. Membro do corpo editorial da Revista Hermes.

Fabiana Haddad Kurbhi CRP 06\5302
Psicóloga, Bacharel e Licenciada em Psicologia e Filosofia pela PUC-SP. Com Especialização em Psicologia Analítica pela UNICID\UniSãoPaulo.

Neusa Maria Lopes Sauaia

Psicóloga Clinica , Mestre em Psicologia pela PUC/SP, Membro do Instituto Brasileiro de Terapia de Sandplay, Pratictioner em Somatic Experience, Docente por 25 anos no curso Jung e Corpo do Instituto Sedes Sapientiae, Fundadora e Presidente do Núcleo Espiral: pesquisa, assistência e prevenção da Violência contra Crianças e Adolescentes.

Teresa Nasi
Psicóloga Clínica pela PUC - SP, mestrado no Núcleo de Estudos Junguiano pela PUC - SP, especialista em Jung Corpo e Cinesiologia Psicológica pelo Instituto Sedes Sapientiae de São Paulo.

Denise Mathias
Psicóloga, Curso de especialização em Psicologia Junguiana.
Especialização em Psicoterapia de Casal e Família pelo Instituo Familiae.
Mestre em Jung  pela PUC.
Professora do curso JUNG E CORPO no Instituto Sedes Sapientiae.
Psicoterapeuta de Criança, Adolescente e Adulto.
Psicoterapeuta de Casal e Família.

Telma de Oliveira Chirosa
CRP: 06/28748
Psicóloga atuante há 30 anos na área clínica, com crianças, adolescentes e adultos.
Especialização em Psicoterapia de abordagem junguiana, coligada às técnicas corporais e Cinesiologia Psicológica pelo Instituto Sedes Sapientiae
Especialização em Terapia de Casais com abordagem junguiana e psicodramática pelo Instituto Moreno no Brasil
Supervisora clínica
Supervisora de terapeutas do projeto social Projeto Semear

Obs: cronograma e corpo docente sujeito a alterações sem aviso prévio



Carga Horária: 30 Horas.

Horário das aulas: 8 encontros aos sábados 09:00 ás 13:15 ( dia 10 novembro aula até as 16:30 )

Início: 11 Agosto 2018.

Término: 10 Novembro 2018.

Vagas Limitadas!

avaliação do curso

compartilhe o curso