ÀREA DE ATUAÇÃO DA ARTETERAPIA, saúde mental


Uma das áreas de grande atuação da arteterapia é no cuidado do bem estar da saúde mental ligada às doenças patológicas como: transtorno bipolar, esquizofrenia, somatização, doenças cardiovasculares, oncológicas, reumáticas e outras. O fazer artístico da arteterapia promove “,através do manuseio e experimentação de materiais plásticos nas múltiplas modalidades expressivas, em atmosfera acolhedora e protegida, facilita-se o resgate destas possibilidades e auxilia-se o despertar da sensoralidade e da percepção e permite a vivência de momentos mais soltos e lúdicos.”( Philippini, Angela, p.62)

A arteterapia é acolhedora, é para todos não tem barreiras para ser feita, experimentada e vivenciada. A arteterapia não tem idade, credo, raça, formação, gênero ou cultura. O bem estar deve ser um direito de todos e a arteterapia é um meio de promoção para que a qualidade de vida, o bem estar possa fazer parte da vida das pessoas portadoras de doença mental. Pode e deve ser aplicada em clínicas, hospitais, consultórios, CAPS, centros comunitários, associações formadas por familiares dos pacientes.

No filme “ Nilse, O coração da loucura”, cuja atriz Glória Pires fez o papel da psiquiatra Nise da Silveira, trouxe a pauta de uma forma mais popular a questão da saúde mental nos hospitais psiquiátricos na década de 40,  muitos se emocionaram e abriram um olhar generoso, questionador e de consciência para com a saúde mental de pacientes portadores de doença mental esquecidos pela sociedade e familiares em hospitais psiquiátricos sem a possibilidade de terem uma qualidade de vida ao seu alcance.

A arteterapia na área da saúde mental desempenha uma função de extrema importância promovendo através da arte acolhimento e reestruturação do ser, resgatando o poder criativo através da simbologia das imagens. Trazendo convívio social, auto estima, auto confiança, aceitação e inclusão.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Philippini, Angela. Para entender Arteterapia: cartografias da coragem, 2013. 5ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, p 62 

 

Texto: Tricia Penna

Arteterapeuta, AATESP 494/319


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *